top of page
  • Foto do escritorCarolina Martins Vieira

Afinal, o que é imunoterapia? Entenda sua atuação no combate ao câncer

Como vem crescendo as indicações dessa modalidade de tratamento para o câncer e quais são as barreiras para o acesso


A imunoterapia é uma modalidade terapêutica que induz o combate das células cancerígenas pelo próprio sistema imunológico do organismo, agindo de forma distinta daquela promovida por qualquer outro tipo de tratamento oncológico. Enquanto os mecanismos de ação contra o tumor oferecidos pela quimioterapia se baseiam em atacar as células tumorais diretamente, a imunoterapia auxilia o próprio sistema imunológico do paciente a identificar e combater o câncer. Ou seja, em vez de atuar diretamente contra o câncer, os remédios imunoterápicos auxiliam as defesas do corpo para que elas mesmas detectem e combatam a doença.


Entretanto, estimular o sistema imune é uma tarefa complexa e, embora as indicações de tratamentos imunoterápicos venham crescendo de forma significativa, o tratamento não consegue ser eficaz para todos. Por outro lado, nos casos em que o sistema imunológico adquire a capacidade de combater o câncer, o resultado pode ser muito expressivo e duradouro, devido ao fato de que o sistema passa a ter uma espécie de memória imunológica contra o tumor.


Os principais tipos de imunoterapia usados hoje para combater o câncer são: anticorpos monoclonais, inibidores de pontos de verificação imunológica (ou inibidores de checkpoint), vacinas contra o câncer e agora uma modalidade mais complexa conhecida como terapia do receptor de antígeno quimérico de células T ("CAR T-Cells”).


A duração do tratamento da imunoterapia depende da eficácia do mesmo e da reação de cada paciente. Embora, na maioria das vezes, o tratamento imunoterápico seja melhor tolerado do que a quimioterapia, podem ocorrer fenômenos autoimunes, que demandam rápida identificação e abordagem pelo oncologista.


A imunoterapia representa, sim, uma revolução no tratamento contra o câncer, mas ainda há um longo caminho a seguir. Tendo em vista o custo elevado e o fato desse tratamento não ser eficaz para todos os pacientes oncológicos, pesquisas tentam definir quais seriam os melhores critérios para identificar aqueles mais propensos a terem boas respostas com essa modalidade de tratamento.


Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema? Escreva para mim: carolinavieiraoncologista@gmail.com

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page