top of page
  • Foto do escritorCarolina Martins Vieira

Câncer hepático: a importância do acompanhamento multidisciplinar

É preciso reunir profissionais aptos e que possuem experiência em tratar fígados doentes, como oncologistas, hepatologistas, radiologistas, cirurgiões e outros


O tratamento dos tumores primários do fígado, chamados de hepatocarcinoma ou carcinoma hepatocelular, ainda representa um desafio na medicina. Para conversar sobre sua experiência nesta área, convido o doutor Antonio Scalabrini Neto, médico oncologista do Grupo Oncoclínicas.


Qual a diferença entre nódulo hepático e hepatocarcinoma?


O chamado nódulo hepático consiste em qualquer estrutura, predominantemente com o formato esférico, encontrado no interior do fígado ou na sua superfície. É importantíssimo ressaltar que a presença de um nódulo hepático é sempre uma condição anormal, podendo ser de caráter benigno ou maligno, e por isso deve ser investigada.


O hepatocarcinoma é um tipo raro de nódulo hepático, porém muito grave, e é o tipo que mais preocupa o médico. Se descoberto bem no início, ele pode ser curado em quase 100% dos casos.


Como surge o hepatocarcinoma e qual a sua relevância dentro da oncologia?


O hepatocarcinoma surge em quase sua totalidade em fígados com cirrose, podendo a cirrose ter sido causada por álcool, hepatites ou doenças mais raras. Ele atualmente é a quinta causa de morte por câncer, tendo um impacto sócio-econômico muito negativo para o país.


Quais são os fatores de risco para o surgimento desse câncer?

Qualquer fator que aumente o risco de cirrose, como: bebidas alcoólicas, os vírus da hepatite, a deposição de gordura no fígado e a cirrose em que não se detecta a causa.


Por que é tão importante uma avaliação multidisciplinar dos pacientes acometidos por esta doença?


Porque é uma doença que se desenvolve em um fígado já muito doente. Assim é preciso reunir vários profissionais que estão aptos e que possuem experiência em tratar fígados doentes, no caso oncologistas, hepatologistas, radiologistas, cirurgiões e outros profissionais.


Em casos extremos, quando o fígado não suporta nenhum tratamento, opta-se pelo transplante hepático. Nesta situação, um novo fígado é colocado no paciente após o fígado doente ser retirado. Nestes casos, serão tratados o hepatocarcinoma e a cirrose que o gerou, ou seja, as duas doenças.


Como ocorre o funcionamento de um serviço especializado em nódulos hepáticos? Quais são os profissionais envolvidos?


O paciente chega ao serviço após ter sido avaliado por outro médico (generalista ou não), com histórico de nódulo hepático que precisa de avaliação especializada. O caso é discutido, exames são revistos ou refeitos, sendo feito um diagnóstico, que será discutido entre a equipe para selecionar o tratamento mais adequado ao paciente. No caso, esse tratamento pode variar desde o seguimento periódico do nódulo, até o transplante hepático, quando é indicado


Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema? Escreva pra mim: carolinavieiraoncologista@gmail.com

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page