top of page
  • Foto do escritorCarolina Martins Vieira

Medicina do estilo de vida: sono reparador como aliado contra o câncer

O câncer pode ser causado por múltiplos fatores, como genética, ambiente e estilo de vida. Entenda como o sono participa desse processo

Já vimos o papel benéfico da alimentação e da prática de atividade física e maléfico do consumo de álcool e cigarro no desenvolvimento de alguns cânceres. Nessa semana, iremos abordar o que estudos recentes mostram sobre a relação do sono com o surgimento ou a progressão de tumores. Para essa coluna, Matheus Lavigne, estudante de medicina da UFMG, pesquisou a fundo o tema.


Estudos têm mostrado a relação de distúrbios do sono com câncer de mama, próstata, tireoide, cabeça e pescoço e linfoma de Hodgkin. Além de mudanças neuro-hormonais e pró inflamatórias, há desregulação em certos genes relacionados ao sono.

O sono reparador permite restaurar a disposição física e mental, fixar memórias e aprendizados, melhorar a imunidade, e reequilibrar os sistemas neurológico e hormonal. Por meio de órgãos neuroendócrinos sensíveis à luz solar, nosso organismo é regulado pelo ciclo circadiano, relógio biológico interno que distingue dia e noite.

Ao anoitecer, nossos olhos captam a redução da luz e estimulam a glândula pineal a produzir a melatonina, hormônio relacionado ao sono e com papel anti-inflamatório. Durante o dia, o nível de melatonina no sangue reduz e hormônios, como cortisol, noradrenalina e leptina, assim como substâncias pró inflamatórias prevalecem para nos manter alertas e ativos. Quando essa variação interna regulada pelo ciclo circadiano é afetada por muito tempo, cerca de 10 anos, o indivíduo fica mais estressado, cansado e predisposto a doenças como depressão, diabetes, infarto e alguns cânceres.


Assim, precipitados por fatores psicológicos, ambientais e genéticos, indivíduos que sofrem com distúrbios de sono ou que estão em tratamento oncológico tendem a apresentar níveis reduzidos de melatonina. Esse hormônio também desempenha efeito antioxidante, protegendo nosso DNA de danos e mutações, e antitumoral, atuando juntamente à proteína p53 ("guardiã do genoma") na inibição do crescimento de células cancerígenas.


Em meio a demandas e preocupações internas e externas, não é fácil manter o equilíbrio e uma boa qualidade de sono. Mas pode acreditar, é possível! Na próxima coluna, daremos dicas para melhorar a qualidade do sono.



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page