top of page
  • Foto do escritorCarolina Martins Vieira

Qual a função do pâncreas e como este órgão pode ser acometido por câncer?

Este é um órgão do qual podem se originar tumores malignos que merecem atenção, especialmente em relação ao subtipo mais comum, o adenocarcinoma

Envolvido na produção de importantes enzimas para o processo de digestão e de hormônios reguladores dos níveis de glicose do sangue, o pâncreas é um órgão do qual podem se originar tumores malignos que merecem grande atenção, especialmente em relação ao seu subtipo mais comum, o adenocarcinoma, que corresponde a mais de 90% dessas neoplasias. Convido aqui o professor Paulo Henrique Diniz, médico do Grupo Oncoclínicas, para esclarecer algumas dúvidas e falar sobre a importância desta neoplasia.


"Embora não tão discutido como nas malignidades mais incidentes na nossa população, as projeções são de aumento expressivo no número de casos por ano na próxima década. Infelizmente, de acordo com dados americanos, o número de óbitos anuais por câncer de pâncreas nos EUA vai saltar de 36 mil para 63 mil até 2030. Não há estimativas específicas no Brasil, mas provavelmente o cenário também não é animador.


Como é um órgão localizado mais posteriormente em relação a outras estruturas do abdome, em muitos casos, os pacientes inicialmente podem não apresentar sintomas, ou ter apenas manifestações inespecíficas, comuns a outras doenças. Isso leva a atrasos consideráveis no diagnóstico. Tanto que, mesmo em países desenvolvidos, em que o acesso aos serviços de saúde não é uma barreira tão significativa, em cerca de 60% dos casos este câncer já é identificado em estágios avançados, com metástases para outros órgãos, ocasião em que a eficácia do tratamento é bem mais limitada.


Dor abdominal, perda de peso não intencional, icterícia (impregnação de pigmento amarelado nas mucosas) e diarreia com fezes de aspecto gorduroso são os sintomas que, quando presentes, ajudam a guiar a investigação para diagnóstico dessa neoplasia.


Entretanto, não é recomendado aguardar o aparecimento desse quadro clínico para se preocupar com o tumor. O mais importante é evitar os fatores de risco, ou seja, hábitos e outras doenças que podem favorecer a ocorrência deste câncer: tabagismo, obesidade, inatividade física, pancreatite crônica e até mesmo o diabetes mellitus.

Há fatores hereditários que também predispõe à neoplasia, como as chamadas síndromes genéticas, que consistem na herança de alguns genes já mutados ou inativos, que levam ao câncer de pâncreas. Felizmente esses genes são responsáveis por apenas entre 5% a 10% dos casos. Ou seja, na maioria das situações, podemos atuar de forma preventiva para reduzir o risco."


Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema? Escreva pra mim: carolinavieiraoncologista@gmail.com

14 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 comentario


nadia-paula
30 jun 2022

Dra todas as fezes e urina gordurosas e cancer do pancreas?

Me gusta
bottom of page